25 setembro 2013

Elogio bruto? Não!

Eu deveria estar trabalhando agora e provavelmente vou até boa parte da madrugada nisso, mas ando com um assunto na cabeça, há meses entalado, que agora precisa ser posto pra fora.

Uma amiga compartilhou pelo Facebook um link que levava a esse texto e ambos acabaram sendo um estopim... Admito que um dia eu já achei idiota quem reclamava disso, de ser assediada na rua, porque era uma coisa pela qual eu não passava e se falavam alguma coisa eu me sentia um máximo porque na época eu não me sentia uma garota bonita. Até que chegou um momento que a coisa começou a incomodar muito e passou dos limites. Eu sempre fui muito esquentada e ficava furiosa cada vez que algum cara falava alguma coisa ou pegava no meu braço, me dava vontade de pular em cima da criatura e encher de socos, mas tinha medo até de xingar, dependendo de como era a criatura.

Lembro de um vez ouvir uma pessoa que era muito querida pra mim na época, do sexo masculino, me falar algo absurdo, que me deu um nojo tão grande a ponto de ficar sem ação. Disse ele que ao estar num ônibus lotado preferia ficar atrás de mulheres porque era muito desconfortável para um homem "encoxar" outro e ser "encoxado". E pra mulher é maravilhoso ser encoxada no ônibus né? É um elogio bruto, como o cara do texto linkado acima fala, certo?

Fico impressionada como ainda tem gente que pensa assim! É nojento, desconfortável e, dependendo da criatura, até assustador! Sinceramente, acho horrível ser chamada de "gostosa" na rua, me da nojo e raiva. Me encolho o máximo possível quando estou de pé no ônibus pra não passarem se encostando em mim... Não é legal, não é elogio, praticamente ninguém se sente bem com isso.

Nem numa "quarta-feira nublada, cansada do trabalho, pensando no que fazer quando chegar em casa pra agradar o maridão remelento que só pensa em futebol (ah... por favor né?! sério? tu vai pra casa pensando isso? diz pra mim que não, por favor! diz também que tu não tem um marido assim)"...

Nenhum comentário:

Postar um comentário